EditalQuestões sobre Licitações

Entrega de produto com especificação diferente do edital

A situação que minha empresa se depara é a seguinte: Ganhamos um certame na esfera estadual para fornecimento de placas indicativas em chapas galvanizadas com espessura de 3mm. Para obter informações comparecemos ao órgão licitante para esclarecer eventuais dúvidas sobre o material licitado.
Foi conversado com o fiscal do contrato que a espessura de 3mm era muito grossa para essas chapas indicativas. Falamos que nossa empresa faz essas placas indicativas para diversos outros órgãos e o material ideal é uma chapa de 0,42 a 0,50mm; dado essas informações o fiscal concordou que para melhor interesse da administração entregaríamos o material em chapa 0,50mm e não em chapa 3mm como dizia o edital.
Com o ok do fiscal confeccionamos o material e entregamos conforme acordado, mas a gestora do contrato estava de férias. Retornando de suas férias constatou que o material entregue estava em espessura de 0,50mm e não nos 3mm como dizia o edital. Explicamos que tínhamos conversado com o fiscal e o mesmo tinha nos autorizado a confeccionar o trabalho na espessura de 0,50mm.
Resumindo o fiscal se eximiu da culpa e a gestora não quer receber o material alegando que não atende o edital, mesmo o material atendendo o interesse da administração, pois o mesmo material é confeccionado para diversos outros órgãos.
Como proceder ?

Prezado consulente, infelizmente ocorreu uma sucessão de erros.

O primeiro erro foi a ausência de “impugnação ao edital”. Se sua empresa sabia que a chapa de 3 mm não era a mais adequada àquela finalidade, deveria ter questionado esta espessura na fase prévia da licitação, oferecendo impugnação ao edital, conforme previsto no art. 41, §§ 1º e 2º, da Lei 8.666/93.

O segundo erro: sua empresa não poderia ter solicitado a alteração – de 3 mm para 0,50 mm – pois a violação às regras da licitação e do contrato são flagrantes. Este é o tipo de pedido que, indubitavelmente, levará à responsabilização da empresa. As consequências legais para este tipo de alteração do objeto podem ser gravíssimas (vide art. 96, da Lei 8.666/93).

O terceiro erro: o fiscal da Administração “nunca” poderia ter acolhido este pedido de alteração da espessura da chapa. Em regra, o fiscal do contrato não tem competência legal para tal mudança de especificação de objeto. Este tipo de alteração – ainda que fosse possível – dependeria de uma autorização do gestor do contrato, mediante formalização de termo de aditamento.

Ao oferecer proposta nos termos do edital – portanto, com chapa de 3 mm – a empresa vencedora da licitação é obrigada a cumprir o contrato nas mesmas condições ofertadas e fixadas no ato convocatório. A quantidade de material utilizada em placas de 3 mm e 0,50 mm é bastante diferente e isso influenciaria diretamente o preço ofertado e o universo de competidores.

Com essa alteração solicitada pela empresa e autorizada pelo fiscal, haverá flagrante quebra ao princípio da isonomia em face das seguintes razões: a) uma outra empresa que não tivesse condições de participar da licitação com a chapa de 3 mm, mas, com a redução para 0,50 mm, passou a ter interesse na licitação, terá sido prejudicada indevidamente; b) um concorrente que tenha participado da licitação e ofertado proposta com chapa de 3 mm terá oferecido um valor superior do que aquele que seria apresentado se a chapa fosse de 0,50 mm.

O resultado desta situação não é outro, senão o de que a empresa contratada deverá atender rigorosamente os termos do edital e da proposta vencedora. Portanto, as chapas de 0,50 mm deverão ser substituídas por aquelas que basearam a proposta oferecida – de 3 mm. Quanto ao fiscal do contrato, é possível que ele venha a responder sindicância uma vez que, mesmo não tendo competência legal para tanto, autorizou a substituição do material em flagrante violação aos princípios da vinculação ao instrumento convocatório e interesse público.

Esta é a conclusão preliminar, uma vez que não foram disponibilizados pelo consulente os documentos da licitação (edital e contrato).

Publicado em 28 de setembro de 2020.

(Colaborou Dr. Ariosto Mila Peixoto, advogado especializado em licitações e contratos administrativos, no escritório AMP Advogados).

*Alguns esclarecimentos foram prestados durante a vigência de determinada legislação e podem tornar-se defasados, em virtude de nova legislação que venha a modificar a anterior, utilizada como fundamento da consulta.

Related posts
Questões sobre Licitações

Dificuldade na primeira emissão da CRF/FGTS

Somos uma empresa recém constituída (06.12.2019). Participamos de um Pregão Eletrônico…
Read more
ContratosQuestões sobre Licitações

Exclusividade dos contratos administrativos

Na minha cidade tem uma empresa que tem um contrato na prefeitura de uma marca que eles…
Read more
Outras QuestõesQuestões sobre Licitações

Substituição do Pregoeiro durante a licitação

No decorrer de um processo de pregão presencial, em fase de análise e julgamento de recursos, é…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *