NotíciasUncategorized

Majeski cobra governo do Estado sobre compra de repelentes

O deputado Sergio Majeski (PSDB) protocolou um Requerimento de Informação, pedindo explicações ao governo do Estado sobre a compra de repelentes pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). O governo, em épocas de declaradas vacas magras, pagou R$ 23,50 em 75 mil frascos do produto. Ao passo que a Prefeitura da Serra pagou R$ 8,80 por frasco do produto similar, com o mesmo princípio ativo. Portanto, o preço de aquisição do governo do Estado é três vezes maior do que o pago pela administração da Serra. No último sábado (23), o jornal A Gazeta publicou reportagem sobre a discrepância de valores entre os produtos adquiridos pela Sesa e a prefeitura da Serra.

Da Tribuna da Assembleia, Majeski revelou que fez uma pesquisa do produto em farmácias da Grande Vitória e constatou que o repelente é vendido entre R$ 15 e R$ 17. “Isso uma unidade em uma farmácia, que já vende muito caro. Pensando em todos os aspectos, não há como entender que o Estado tenha pagado R$ 23,50 para comprar 75 mil unidades. Isso não se justifica. Nós temos uma Secretaria de Transparência, uma Corregedoria com um novo corregedor-geral, nós precisamos saber o que aconteceu. Considerando só preço pago pela Prefeitura da Serra, o governo desembolsou R$ 1 milhão a mais, aproximadamente, sem nenhuma justifica aparente”, afirmou o deputado.

Em sua pesquisa, o deputado também observou outras questões curiosas. “Essa marca comprada pela Sesa, em grande parte, não é distribuída nas farmácias. Aliás, essa é até desconhecida aqui do Espírito Santo. Ela é carioca. Nós queremos saber exatamente o que aconteceu”.

Os seguintes documentos foram solicitados pelo deputado: cópia na íntegra do processo da Sesa; cópia da publicação do Dio, do aviso de dispensa de licitação referente à compra dos repelentes; cópia da publicação do Dio, da ratificação da aquisição por dispensa de licitação; cópia das ofertas das empresas que demonstraram interesse na venda do produto ao governo, especificando seus nomes, os valores e as características do produto ofertado; explicações quanto ao valor pago, tendo em vista que produtos com a mesma destinação – com certificado da Anvisa – podem ser comprado no varejo com valor inferior.

(Fonte: Seculo Diario)

Related posts
Notícias

Licitação escolherá banco para administrar folha do Ipassp

Segundo o Instituto de Previdência dos Servidores, o processo será aberto dia 23 de setembro O…
Read more
Notícias

Após denúncia, licitação para administrar frota municipal por meio de software é suspensa

Suspensão deve permanecer até pontos questionados serem resolvidos e Corte de Contas se manifestar…
Read more
Notícias

TCE suspende licitação da Sesp para locação de banheiros químicos da Operação Verão

Foi suspenso, por medida cautelar do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), o Pregão…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *