Notícias

Licitação para mobiliário urbano em Aracaju vira alvo da Justiça.

Uma licitação da Prefeitura de Aracaju para instalação e exploração de placas, relógios e outros mobiliários urbanos da capital sergipana foi parar na Justiça após uma das empresas concorrentes alegar exclusão indevida do processo. Já assinada pela prefeitura, a homologação da vencedora está suspensa.

O edital previa a contratação de empresa especializada para fornecimento, instalação, manutenção e exploração de propaganda em placas para identificação de logradouros, sinalizadores, barramentos de pedestres, relógios e totens publicitários, mediante concessão onerosa pelo prazo de concessão de 10 anos.

A licitação foi realizada em 26 de fevereiro. Já a homologação da vencedora foi assinada em 23 de abril pelo presidente da Emurb (Empresa Municipal de Obras e Urbanização), Antônio Sérgio Ferrari Vargas.

A empresa vencedora ofereceu uma proposta de outorga à vista de R$ 281 mil para ficar com direito à concessão por uma década.

A empresa que teve um documento contestado foi a All Space Propaganda e Marketing. Segundo ela, a inabilitação da empresa no processo ocorreu de forma ilegal, o que fez com que a MC fosse declarada vencedora como a única proposta habilitada. Os valores oferecidos pela All Space para o contrato não foram revelados, já que o envelope dela no processo ainda não foi aberto.

A All Space alega que foi retirada da disputa pela Emurb por supostamente não apresentar um atestado de capacidade técnica –o que é contestado pela direção da empresa, que opera este tipo de propaganda em outras oito cidades.

Homologação suspensa
Nesta segunda-feira (13), atendendo a um pedido da empresa inabilitada no processo, a 18ª Vara da Fazenda Pública de Aracaju suspendeu a homologação do contrato entendendo ter havido uma inabilitação ilegal e reconhecendo a capacidade técnica da All Space. A All Space ainda pede que a Justiça anule os efeitos da decisão e reabilite a empresa no processo.

“Entendemos que esta licitação se configura como claro atentado aos princípios mais básicos do direito. A administração está abdicando da saudável competição e livre concorrência entre licitantes, que obviamente traz vantagens ao interesse público”, diz Conrado Kallas, sócio da empresa.

Na ação que impetrou na Justiça, a empresa indica ter apresentado nove atestados de capacidade técnica no envelope da licitação.

Sócio da All Space alega que a prefeitura não cumpriu prazos e não deu direito à defesa da empresa.

“Claramente a licitação feriu a regra fundamental do direito ao contraditório e ampla defesa. Não apenas nos inabilitaram de forma infundada e arbitrária, mas principalmente tolheram-nos do direito de defesa, dado que após declararem nossa inabilitação rapidamente chamaram a 2ª colocada para assinar o contrato sem nos permitir apresentar recurso, o que era previsto em lei e no próprio edital”, diz Conrado.

Em nota, a Emurb negou problemas na licitação e confirmou, sem dar detalhes, que a empresa “All Space Propaganda e Marketing foi inabilitada por não apresentar documentação exigida em edital”.

“É um direito da empresa não concordar com a decisão administrativa, e qualquer ação judicial será respondida no tempo adequado”, informou a empresa pública.

(Fonte: Uol)

Related posts
Notícias

Por suspeita de fraude, TJDFT suspende licitação de R$ 70 mi na Saúde

Concorrente acusa empresa vencedora de ter sido beneficiada por servidora da secretaria no certame…
Read more
Notícias

Governo da Bahia lança aplicativo para licitação baseado em blockchain

Os estados da Bahia e do Rio Grande do Norte vão passar a usar um aplicativo de licitação baseado…
Read more
Notícias

Mantido afastamento de prefeito de Aparecida (SP) acusado de fraude em licitação

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, negou seguimento (julgou…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *