EditalQuestões sobre Licitações

Qualificação da licitante. Proposta por item.

Para uma licitação de menor preço por item, por exemplo: uma licitação de medicamentos com 60 itens, a qualificação econômico-financeira ou técnica de um licitante que vai participar apenas com alguns itens, não poderá ser igual ao de outra licitante que apresentará proposta significativamente maior. Está correto impugnar o edital que exige qualificações técnicas ou financeiras levando em conta o valor total do edital?

Sim, é correto impugnar o edital, senão vejamos o seguinte exemplo:

Em uma licitação de compra de medicamentos, temos o seguinte objeto:
Item 1 – aquisição de 1.000.000 de doses de vacina contra a febre amarela;
Item 2 – aquisição de 800.000 comprimidos do medicamento paracetamol;
Item 3 – aquisição de 1.000.000 de comprimidos do medicamento metoclopramida;
Item 4 – aquisição de 500 doses de insulina;
Item 5 – …
Etc…

No caso da licitante que fabrica ou distribui apenas o item 4, a ela deverá ser exigida apenas a comprovação de qualificação referente à quantidade estabelecida no item 4. A exigência do Edital de apresentação de atestados de fornecimento ou outra qualificação (p.ex.: qualificação econômico-financeira), feita com base na quantidade total licitada (soma de todos os itens) a participantes que ofereçam apenas um determinado item, indiscutivelmente fere o princípio da isonomia, vez que reduz o universo de participantes e restringe o caráter competitivo. Portanto, o edital de licitação estaria a infringir o art. 3º, § 1º, I, da Lei 8.666/93, no tocante ao estabelecimento de cláusula que frustre ou restrinja o caráter competitivo da licitação.

Cada item do edital poderia ser comprado através de uma licitação autônoma, ou seja, a Administração poderia realizar um procedimento licitatório para cada objeto. Contudo, por conveniência administrativa, optou por reunir estes itens (de natureza divisível) em um único certame, em face da economia processual e a fim de dar celeridade ao processo de contratação. Portanto, cada item comprado deveria ser interpretado como um contrato independente. Por essa razão, se a Administração decidir adquirir em um único certame, por exemplo, mesas, cadeiras e monitores, poderá fazê-lo. Entretanto, o fabricante de mesas nem sempre produz cadeiras e monitores, e vice-versa. Assim sendo, cada fabricante ofertará a proposta para o item de sua fabricação. Seria um contrasenso exigir do licitante que ele apresente garantia no valor correspondente a itens que sequer é fabricante ou que não tem o menor interesse.

Ao discorrer sobre a garantia de participação (até 1%) ou capital social (até 10% do valor estimado da contratação), o legislador procurou sua utilização de forma sensata.

Diante do exposto, a opção da Administração de exigir garantia de proposta (vedada na modalidade pregão) ou capital social proporcional ao valor de todos os itens da licitação, indubitavelmente impõe aos licitantes cláusula abusiva e que restringe a competição, circunstâncias estas que conflitam expressamente com o disposto no artigo 3º, § 1º, I, da Lei 8.666/93.

A Lei não determina que a “garantia” ou o “capital social” sejam mensurados pelo  VALOR TOTAL do contrato. Vejamos o que reza o dispositivo:

“art. 31 – …
III – garantia, nas mesmas modalidades e critérios previstos no “caput” e § 1o do art. 56 desta Lei, limitada a 1% (um por cento) do valor estimado do objeto da contratação.”

No mesmo sentido:

“§ 3o  O capital mínimo ou o valor do patrimônio líquido a que se refere o parágrafo anterior não poderá exceder a 10% (dez por cento) do valor estimado da contratação, devendo a comprovação ser feita relativamente à data da apresentação da proposta, na forma da lei, admitida a atualização para esta data através de índices oficiais”.

O “objeto da contratação” é a finalidade da licitação, ou seja, a aquisição dos itens descritos no edital. Se cada item for analisado de forma independente, dada sua natureza divisível, vale dizer que “cada item” será, per se, o “objeto da contratação”.

(Colaborou Ariosto Mila Peixoto, advogado especializado em licitações públicas e contratos administrativos).

*Alguns esclarecimentos foram prestados durante a vigência de determinada legislação e podem tornar-se defasados, em virtude de nova legislação que venha a modificar a anterior, utilizada como fundamento da consulta.

Related posts
EditalLegislaçãoQuestões sobre Licitações

Subcontratação total ou parcial nos editais

AZEVEDOMOTA Em alguns editais eles já informam na Minuta Contratual que não permitem…
Read more
Modalidades de LicitaçãoQuestões sobre Licitações

É permitido colocar modelo de componentes internos de um equipamento?

Câmara municipal de Maringá É permitido colocar modelo de componentes internos de um equipamento…
Read more
EditalQuestões sobre Licitações

Fórmula PC + ELP do Índice de Endividamento

Prefeitura Municipal de João Monlevade  Nos Editais está sendo medido o Índice de Endividamento…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *