Dispensa e InexigibilidadeOutras QuestõesQuestões sobre Licitações

Contratação direta – art. 24.V – vale alimentação

Trabalho num pequeno órgão na qual conta com apenas 5 funcionários.

Acontece que estamos com uma séria dificuldade de encontrar orçamentos para a prestação de determinados serviços.

Vamos ter que fazer uma Licitação para a Contratação de Empresa de fornecimento de Cartão Vale Alimentação.

Acontece que o valor global de vale alimentação, para os 05 funcionários da Câmara, ultrapassara o valor de dispensa, atualmente R$ 17.400,00.

Feito o Pregão Presencial, se não comparecerem interessados ao Certame (devido a poucos funcionários), será possível a Contratação Direta ?

Entendo que o objeto desta contratação trata de serviços de intermediação de crédito. Nesse caso, entendo, são serviços de natureza contínua que podem ser prorrogados até o limite de 60 meses, nos termos do artigo 57, II, da Lei 8.666/93.

Portanto, a eleição da forma de contratação bem como a modalidade licitatória deve levar em consideração o montante de valores para um contrato de longa duração.

Portanto, se realizada a licitação – revestida de todas as formalidades legais – e, comprovadamente, não acudirem interessados ao certame, entendo que é o caso de repetição da licitação, com ampliação da publicidade.

A contratação direta sob o fundamento do artigo 24, V, da Lei 8.666/93, só poderá ser realizada se a repetição do certame trouxer prejuízo à Administração:

“Art. 24 – É dispensável a licitação: (…)
V – quando não acudirem interessados à licitação anterior e esta, justificadamente, não puder ser repetida sem prejuízo para a Administração, mantidas, neste caso, todas as condições preestabelecidas;”.

Sendo assim, o processo de contratação direta – art. 24, V – deverá apresentar parecer técnico e jurídico que demonstre o prejuízo à Administração na repetição do certame. Se, de fato, restar justificado o prejuízo, aí sim seria o caso de contratar diretamente a empresa, sem embargos de todas as precauções do parágrafo único do art. 26 da Lei 8.666/93.

Publicado em 14 de fevereiro de 2019

(Colaborou Dr. Ariosto Mila Peixoto, advogado especializado em licitações e contratos administrativos, no escritório AMP Advogados).

*Alguns esclarecimentos foram prestados durante a vigência de determinada legislação e podem tornar-se defasados, em virtude de nova legislação que venha a modificar a anterior, utilizada como fundamento da consulta

Related posts
Questões sobre Licitações

Em um pregão onde o preço do produto é R$10,00 e o fornecedor quer vender dando um desconto para o município a R$ 8,00. Nesse caso será preciso fazer uma alteração contratual ou existe entendimento para que a nota fique diferente do empenho?

Embora o preço mais vantajoso obtido pela Administração tenha sido o de R$ 10,00, é possível…
Read more
Questões sobre Licitações

Posso usar consultas da internet para terceiro preço, qual lei que ampara? Tenho que ter os dados da empresa completo. Isso é para produto e serviço?

Segundo a Instrução Normativa nº 73/2020 [1] do Ministério da Economia, que dispõe sobre o…
Read more
Questões sobre Licitações

Uma Associação criada pelo Lucro Presumido pode participar de licitações públicas? Ela entraria como terceiro setor?

Para que uma associação seja enquadrada no Terceiro Setor, ela deve atender ao pressuposto da…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *