Notícias

Polícia investiga fraude em licitações e desvio de dinheiro público em Amaraji e Gameleira em nova fase de operação

A Polícia Civil cumpriu, nesta terça-feira (24), cinco mandados de busca e apreensão dentro da segunda fase da operação Sequência Real, que investiga crimes de fraude em licitações, peculato (desvio de dinheiro público), lavagem de dinheiro e falsidade ideológica em Amaraji Gameleira, ambas na Zona da Mata pernambucana.

As licitações investigadas são das prefeituras e Câmaras Municipais das duas cidades. A Polícia Civil não informou, no entanto, se os contratos foram feitos pelas gestões atuais ou anteriores do Executivo e Legislativo. Os nomes dos alvos também não foram divulgados pela corporação.

Os mandados foram emitidos pela Vara Única da Comarca de Amaraji para endereços no Recife e em Chã Grande, Amaraji e Gameleira, na Zona da Mata, e Gravatá, no Agreste.

As investigações começaram em maio de 2019 e, na primeira fase, foram investigadas fraudes em licitações em Gameleira e Amaraji (veja mais detalhes abaixo). Na época, a ex-prefeita de Gameleira Yeda Augusta foi presa temporariamente.

O inquérito é conduzido pela delegada Isabela Veras Porpino, adjunta da 2ª Delegacia de Combate à Corrupção do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco).

Além de peculato e fraude em licitação, são investigados os crimes de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. O material apreendido durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão foi encaminhados à sede do Draco, no Barro, na Zona Oeste do Recife.

Outras informações sobre a investigação devem ser divulgadas em coletiva nesta terça-feira (24). O G1 entrou em contato com as prefeituras de Amaraji e de Gameleira, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

Fraudes em licitações em Amaraji e Gameleira são investigadas pela polícia

A primeira fase da operação Sequência Real ocorreu em agosto de 2019, sendo realizada em conjunto com outra operação, que também apurava fraudes em licitações (veja vídeo acima). Na época, foram presas nove pessoas temporariamente, incluindo ex-servidores de Gameleira e Amaraji, bem como a ex-prefeita de Gameleira Yeda Augusta.

O prejuízo estimado pela Polícia Civil era de R$ 1 milhão apenas em fraudes em licitações. Segundo a Polícia Civil, uma empresa investigada nas duas operações atuava fraudando licitações nos dois municípios. Advogados ligados às empresas investigadas também foram alvo dos mandados na época.

(Fonte: G1)

Related posts
Notícias

Nova concessão do transporte deve iniciar operação até março de 2022, diz Felicio

Os dois lotes do sistema devem ser operados pelo Grupo Itapemirim; ideia do prefeito é que Linha…
Read more
Notícias

Nova concessão do transporte deve iniciar operação até março de 2022, diz Felicio

A Polícia Federal realizou ontem (21) uma operação para combater fraudes em licitações e…
Read more
Notícias

Cuiabá investirá mais de R$ 193 milhões em melhoria do sistema viário nos próximos dois anos

O processo licitatório nº 044/2021 está em andamento e deve ser finalizado ainda este ano Além…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *