Notícias

Odebrecht avisa que vai impugnar sanções impostas no México

A construtora Odebrecht, envolvida em vários escândalos de corrupção na América Latina, anunciou nesta segunda-feira (23) que impugnará as sanções impostas pelo governo mexicano, que inabilitou a empresa a celebrar contratos com instituições governamentais.

Em resposta, a Secretaria da Função Pública do México (SFP) informou que, embora a empresa tenha expresso a intenção de colaborar com o governo mexicano para esclarecer os fatos, nunca apresentou, nem detalhou os requisitos legais de sua cooperação e admissão de responsabilidade, nem elementos de prova para obter o benefício de redução de sanções previsto na lei anticorrupção mexicana.

“A Odebrecht México rejeita categoricamente as considerações e vai impugnar, mediante todos os recursos legais, o conteúdo, os alcances e efeitos destas sanções”, informou a empresa em uma nota publicada em jornais de circulação nacional.

A companhia acrescentou que as sanções “são totalmente infundadas e improcedentes”.

Na semana passada, o governo mexicano, através da SFP, inabilitou duas unidades da Odebrecht a participar de licitações públicas por dois anos e seis meses.

Também inabilitou dois funcionários da Odebrecht: Gleiber José de Faria, diretor de Finanças da empresa, e Luis Alberto de Meneses, titular da companhia no México.

Este último disse às autoridades brasileiras que Emilio Lozoya, ex-diretor da estatal Petróleos Mexicanos, e vinculado ao presidente Enrique Peña Nieto, recebeu mais de 10 milhões de dólares em propinas da empresa.

Lozoya nega as acusações.

Em junho de 2017, a Secretaria da Função Pública “notificou a construtora que não era procedente seu pedido de redução de sanções, em virtude de não ter aportado os elementos de prova suficientes para acreditar a infração”.

Depois, a Odebrecht interpôs um recurso, negado pela Justiça mexicana pelas mesmas razões, concluiu a SFP.

A empresa também informou que as autoridades mexicanas rejeitaram a solicitação de cooperação ao contrário dos governos de Brasil, Estados Unidos, Guatemala, Panamá, República Dominicana, Equador e Suíça.

A empreiteira está no olho do furacão nos últimos anos, acusada de ter subornado vários governos latino-americanos para ganhar licitações de obras.

(Fonte: Jornal dia a dia)

Related posts
Notícias

Teresópolis abre licitação para o serviço de captura e guarda de animais soltos em vias públicas

A Prefeitura de Teresópolis marcou para o dia 28 de junho a concorrência pública 001/2021, para…
Read more
Notícias

Aberta licitação para construção de unidades de saúde em Dourados

Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) abriu licitação para a construção de…
Read more
Notícias

Cade condena seis empresas por formação de cartel em licitações públicas

Práticas anticompetitivas, como formação de cartel em licitações públicas, são passíveis…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *