Notícias

Deputados derrubam votação da nova Lei das Licitações

Imagem - Fonte Exame

Proposta criaria novas modalidades de contratação, exigiria seguro-garantia para grandes obras e tipificaria crimes relacionados ao assunto

Parlamentares alegaram que o relator, Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), fez modificações no texto após encaminhar o projeto que já havia sido discutido (Adriano Machado/Reuters)

Brasília — Os deputados derrubaram a votação da nova Lei de Licitações e Contratos que substitui três legislações vigentes do setor, entre elas a 8.666/1993, conhecida como a Lei Geral de Licitações. Parlamentares alegaram que o relator, Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), fez modificações no texto após encaminhar o projeto, na tarde desta terça-feira, 4.

A proposta cria novas modalidades de contratação, exige seguro-garantia para grandes obras, disciplina a contratação nas três esferas de governo e tipifica crimes relacionados ao assunto. O último item é o que levou a derrubada da votação, já que os parlamentares afirmaram que a redação final tornou “subjetivos” os critérios que podem levar à criminalização.

“Deputado Augusto Coutinho, eu quero registrar que fui surpreendido agora com a identificação de itens no art. 182 que não estavam na versão anterior e que eu não tinha até agora identificado. São itens com agravamento de penas, e nós não podemos analisar a dosimetria de penas. Nesta Casa, existe uma comissão especial de Código Penal. O texto aparecer com agravamento de pena 1 hora antes da apreciação, havendo uma Comissão especial para isso, acho desagradável, no mínimo”, reclamou o deputado federal Afonso Florence (PT-BA).

As declarações do deputado petista foram seguidas por posicionamentos de parlamentares de MDB, PSDB, PSOL e PP. “É uma pena esta Casa derrubar a discussão de uma proposta que já foi debatida à exaustão na Casa”, afirmou Coutinho.

Além da 8.666/1993, a nova proposta pretende substituir a lei 10.520/2002, que regula os pregões na esfera pública, e a 12.462/2011, que criou o Regime Diferenciado de Contratações (RDC). O projeto traz ainda mudanças nas contratações públicas no Brasil como rodovias, aeroportos, portos etc.

Entre as principais mudanças está a contratação do chamado seguro-garantia, que deveria assegurar a completa execução do contrato. Com isso, a garantia contratual máxima pela lei deixaria de ser de 5% (10% nas grandes obras) e poderá chegar a 20% (30% nas grandes obras) do valor do contrato. Se o contratado não concluir a obra, a seguradora terá de pagar o seguro ou finalizar a obra.

O texto prevê ainda um agravamento de penas ligadas a crimes licitatórios incorporadas na proposta do Ministério Público Federal e da Transparência Internacional batizado de Medidas Anticorrupção. A pena máxima para fraude em processos licitatórios passa de dois anos para quatro anos.

(Fonte: Exame)

Related posts
Notícias

IPMC abre licitação para aquisição de gasolina

Fornecedores de combustíveis já podem enviar proposta para licitação aberta pelo IPMC (Instituto…
Read more
Notícias

Prefeitura pode comprar de empresa até R$ 5.600,00 em tábuas de madeira de pinus

Por meio de publicação oficial, a Prefeitura de Cascavel publicou a ata de registro de preços do…
Read more
Notícias

TCE suspende licitação da Copel Telecom para serviços de engenharia por demanda

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) expediu medida cautelar que suspende a…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *