Notícias

Contrato de R$ 104 mil para realização de festival em 2018 rende multa a ex-prefeito

Ex-prefeito de Bonito e seu então secretário de Turismo foram multados em 60 Uferms por falhas em licitação e contrato.

Decisão singular do conselheiro Flávio Kayatt, do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) culminou em multa aplicada, solidariamente, ao ex-prefeito Odilson Soares, de Bonito –a de Campo Grande– e seu então secretário municipal de Turismo, Augusto Barbosa Mariano. A penalidade é resultado da análise de contrato para a realização do 15º Festival da Guavira e o 5º Cata Guavira, realizados entre 6 e 8 de dezembro e de 30 de novembro a 2 de dezembro de 2018, respectivamente.

O contrato envolveu a empresa responsável pelo planejamento, organização, elaboração e execução dos eventos, que custou R$ 104 mil e partiu de um pregão presencial do Fundo Municipal de Turismo.

O pregão presencial 74/2018 teria irregularidades em 8 itens, que vão da ausência da minuta do edital a inconsistências nas datas de realização do pregão, assinatura do contrato e seu objetivo, bem como problemas na pesquisa de preços e a irregular contratação de artistas.

Quanto ao contrato, por sua vez, técnicos do TCE-MS apontaram designação genérica de fiscal para o contrato –foram elencados genericamente dois servidores, e não um fiscal especialmente designado– e existência de contrato semelhante em vigor.

Odilson e Mariano foram chamados a esclarecer pontos da licitação, mas, ao final da instrução do processo, Kayatt considerou que ainda permaneceram irregularidades. Entre elas, a inconsistência de datas da licitação, assinatura do contrato e início da prestação de serviços –todas anotadas no mesmo dia.

O TCE-MS também questionou a realização de licitação por menor valor global, e não menor preço por item, já que havia várias aquisições para a realização do evento –música, decoração, locação de estrutura, iluminação e divulgação. Também não teria sido comprovada a realização de 3 cotações de pesquisa de mercado sobre o objeto do edital ou planilha de custos unitários.

Odilson e Mariano foram, juntos, multados em 60 Uferms (R$ 2.185,80), recebendo 45 dias para quitação. A decisão, datada de 19 de agosto de 2020, foi publicada nesta sexta-feira (15) no Diário Oficial do TCE-MS.

Fonte: Mídia Max

Related posts
Notícias

Cohavel abre licitação para fornecimento de alimentação

Está aberto o pregão para contratação de empresa especializada no fornecimento de marmitas e…
Read more
Notícias

Toledo abre licitação para execução de pavimentação no distrito de Vila Ipiranga; Valor poderá ser de R$ 283.670,37

A Prefeitura Municipal de Toledo emitiu um aviso de abertura de licitação, que desta vez visa a…
Read more
Notícias

Duas empresas registram preços em licitação da Cohavel que visa compra de materiais elétricos

A Cohavel publicou em Diário Oficial a ata do registro de preços referentes ao pregão eletrônico…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *