Notícias

ANP: rodada de licitação de petróleo dará fôlego a empresas em dificuldade

A 11ª rodada de licitação de petróleo e gás permitirá que, com a conclusão do processo, as empresas habilitadas para explorar novos campos de petróleo recuperem seu portfólio 

A 11ª rodada de licitação de petróleo e gás permitirá que, com a conclusão do processo, as empresas habilitadas para explorar novos campos de petróleo recuperem seu portfólio de investimentos, amenizando os reflexos causados por cinco anos de ausência de licitações no setor. A avaliação é da superintendente de Promoção de Licitações da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Cláudia Rabello.

 

“O atual contexto da indústria do petróleo – de empresas enfrentando dificuldades – é um momento pontual. Muitos blocos arrematados na 11ª rodada vão trazer desenvolvimento e permitir que as empresas recuperem seu portfólio de investimentos. A ausência de licitações [a última foi feita em 2008] gerou impacto, mas com as novas elas estão adquirindo novas áreas e poços, para dividir os seus ovinhos nos cestos”, disse Cláudia Rabello, em audiência na Câmara dos Deputados.

 

O anúncio de novas descobertas representará “uma retomada para as empresas” e dará “novo fôlego a empresas que se encontram com alguma dificuldade, para partir para um movimento de melhora e recomposição dessa situação”, disse Cláudia, após deputados questionarem a participação da empresa OGX, do empresário Eike Batista, que teve grande desvalorização no mercado financeiro. A empresa arrecadou diversos blocos durante a licitação.

 

A superintendente da ANP informou que “não é parte do edital a análise da situação das empresas no mercado financeiro”, mas ressaltou que isso poderá ser sugerido pelos parlamentares durante o período de consulta pública dos outros editais. Até o momento, não há qualquer descumprimento da OGX em relação ao que está previsto na fase que antecede a assinatura dos contratos – quando as empresas têm de fazer uma série de demonstrações documentadas de que têm condições técnicas e financeiras para o empreendimento.

 

O prazo final da OGX para a entrega de documentos é 30 de agosto, e a data final para assinatura é 17 de setembro. “Acredito que ela [OGX] vá cumprir os compromissos. Não há dado concreto de que não vá cumprir”, disse Cláudia.

 

Perguntada se seria possível a OGX vender ativos recém-arrematados nos leilões, Cláudia Rabello disse que, “caso a empresa tenha o objetivo de fazer cessão de direitos” sobre a exploração de poços arrematados a outras empresas, só poderá fazê-lo após a assinatura de contratos.

 

Ao final da audiência, Cláudia disse que, ainda hoje, a ANP deve aprovar o primeiro edital de licitação do pré-sal no modelo de partilha.

 

(Fonte: JB)

Related posts
Notícias

Favorito para assumir presidência da Alesp é alvo de ações por improbidade

Considerado favorito entre os colegas para assumir a presidência da Assembleia Legislativa de São…
Read more
Notícias

Projeto altera lei de licitações e obriga prova de adoção de práticas inclusivas

Empresas que participam de processos licitatórios poderão ter que cumprir novas medidas para…
Read more
Notícias

Nova lei moderniza as licitações públicas

Legislação aprovada no final do ano passado deverá substituir a que está em vigência desde a…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *