LegislaçãoPortarias

Portaria n° 55, de 25 de novembro de 1993

Aplicação das sanções.

 

 

 

O Juiz OSVALDO CARON, Presidente do Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, especialmente as previstas no artigo 47, incisos XI e XIV, do Regimento Interno,

CONSIDERANDO a edição da Lei Federal 8.666, de 21 de junho de 1993 – nova lei de licitações e contratos;
CONSIDERANDO a regra estabelecida no artigo 115 e seu parágrafo único, da Lei 8.666/93;
CONSIDERANDO o decidido no Processo Administrativo nº 2.286,

R E S O L V E :

 

Art. 1º – A aplicação de multa na infringência ao disposto nos artigos 81, 86 e 87, da Lei 8.666/93, no âmbito do Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo, obedecerá o disposto nesta Portaria.

 

Art. 2º – A recusa injustificada do adjudicatário em assinar o contrato, aceitar ou retirar o instrumento equivalente, dentro do prazo estabelecido pela administração do Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo, caracteriza o descumprimento total da obrigação assumida, sujeitando-o às seguintes penalidades:

 

I – multa de 30% (trinta por cento) sobre o valor global da obrigação não cumprida; ou

II – pagamento correspondente à diferença de preço decorrente de nova licitação para o mesmo fim.

Art. 3º – O atraso injustificado na execução do serviço, compra ou obra, sem prejuízo do disposto no §1º do artigo 86, da Lei 8.666/93, sujeitará o contratado à multa de mora, calculada por dia de atraso da obrigação não cumprida, na seguinte conformidade:

 

I – atraso de até 30 (trinta) dias, multa de 1% (um por cento) ao dia; e
II – atraso superior a 30 (trinta) dias, multa de 2% (dois por cento) ao dia.

 

Art. 4º – Pela inexecução total ou parcial do serviço, compra ou obra, poderão ser aplicadas ao contratado as seguintes penalidades:

 

I – multa de 30% (trinta por cento) sobre o valor total ou parcial da obrigação não cumprida; ou
II – multa correspondente à diferença de preço decorrente de nova licitação para o mesmo fim.

 

Art. 5º – A mora será considerada a partir do primeiro dia subseqüente ao término do prazo para a execução do ajuste.

 

Art. 6º – O valor do ajuste a servir de base de cálculo para as multas referidas nos artigos anteriores, será o global reajustado até a data de aplicação da penalidade.

 

Art. 7º – As multas serão corrigidas monetariamente, de conformidade com a variação da UFESP, a partir do termo inicial, fixado no artigo 5º, até a data de seu efetivo recolhimento.

 

Art. 8º – A comunicação da irregularidade e a proposta de aplicação de penalidade deverão ser encaminhadas, pelo órgão de compras, à autoridade que autorizou a licitação, ou a contratação, no respectivo processo.

 

Art. 9º – Da aplicação das multas, o contratado será notificado por escrito e publicado no Diário Oficial do Estado, Poder Judiciário, Caderno l, Atos da Presidência do Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo.

 

§ 1º – No prazo de 5 (cinco) dias úteis à publicação, caberá recurso.
§ 2º – A autoridade que opinar pela aplicação da penalidade, terá 5 (cinco) dias úteis para decisão
§ 3º – A multa imposta deverá ser recolhida, decorridos 5 (cinco) dias úteis da decisão do recurso
§ 4º – Se o pagamento da multa não for efetuado dentro do prazo estabelecido no parágrafo anterior, sua cobrança será efetuada judicialmente.

 

Art. 10 – As multas são autônomas e a aplicação de uma não exclui a das outras

Art. 11 – As disposições constantes desta Portaria aplicam-se também às obras, serviços e compras que, nos termos da legislação vigente, forem realizadas com dispensa ou inexigibilidade de licitação.

 

Art. 12 – O material não aceito deverá ser substituído dentro do prazo fixado pela administração do Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo, que não excederá a 15 (quinze) dias, contados do recebimento da intimação.

 

Parágrafo único – A não ocorrência de substituição dentro do prazo estipulado ensejará a aplicação da multa prevista no artigo 2º desta Portaria, considerando-se a mora, nesta hipótese, a partir do primeiro dia útil seguinte ao término do prazo estabelecido no “caput” deste artigo.

 

Art. 13 – O pedido de prorrogação de prazo final da obra, serviços, ou entrega de material, somente será apreciado se efetuado dentro dos prazos fixados no contrato ou instrumento equivalente.

 

Art. 14 – As multas referidas nesta Portaria não impedem a aplicação de outras sanções previstas na Lei 8.666/93

Art. 15 – As normas estabelecidas nesta Portaria deverão constar em todos os procedimentos licitatórios e de dispensa ou inexigibilidade de licitação.

 

Art. 16 – Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, especialmente o Ato Normativo nº 1, de 25 de julho de 1990, publicado no Diário Oficial do Estado, Poder Judiciário, Caderno l, a 30/07/1990, pág. 36.”

REGISTRE-SE. PUBLIQUE-SE. CUMPRA-SE
OSVALDO CARON
Presidente

Related posts
Especial: Nova Lei de LicitaçõesLegislaçãoLeis

LEI Nº 14.133, DE 1º DE ABRIL DE 2021

Lei de Licitações e Contratos Administrativos. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o…
Read more
Legislação

Responsabilidade da Autoridade Competente no ato de homologação

Tribunal de Contas da União Responsabilidade da Autoridade Competente no ato de homologação A…
Read more
Legislação

Constituição Federal

A Emenda Constitucional nº 109, aprovada em 15 de março de 2021, introduziu o art.167-C que…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *