PropostasQuestões sobre Licitações

Lances no Processo Licitatório

Em um processo licitatório participaram 05 empresas que ofertaram os seguintes lances: 1 – 240.000,00 | 2 – 240.000,00 | 3 – 300.000,00 | 4 – 98.000,00 |5 – 400.000,00 | Logo, habilitaram-se para a fase de lances as empresas 1,2,3 3 4, correto?

Correto.

Na fase de lances nenhuma empresa ofereceu lance em razão da distancia entre as ofertas. Encerrada a etapa de lances a empresa 3 pediu para registrar em ata o preço de 238.000,00.

Errado. A legislação do pregão presencial não permite este lance intermediário. Já no pregão eletrônico isto seria permitido (art. 24, § 3o , do Decreto 5.450/05).

Restando desclassificada a empresa 4 (98.000,00) por irregularidade na habilitação, foi chamada a empresa 3 que pediu para registrar o preço de 238.000,00. Pergunta-se, esse procedimento efetuado pela empresa 3 que pediu para constar em ata o preço de 238.000,00 após encerrada a etapa de lances tem validade ou é nulo?

É nulo. Se fosse para aceitar o preço da empresa “3”, tal oportunidade deveria ser aberta a todos os participantes.
A propósito do tema, leia o trecho do meu livro (Peixoto, Ariosto Mila. Pregão Presencial e Eletrônico, Editora Prime, 2006):

“HIPÓTESE DA AUSÊNCIA DE LANCES

Hipótese que ocorre até com certa frequência é aquela em que, após a classificação das propostas e iniciada a etapa de lances, os licitantes recusam-se a oferecer novos preços. Esse sintoma – ausência de lances – pode revelar inúmeros diagnósticos, mas vamos analisar apenas um exemplo que se mostra mais frequente nos certames.

Exemplo:

Temos o seguinte cenário: a empresa “A” ofertou a unidade do seu produto a R$ 50,00. Os demais licitantes, seguindo a média de mercado, ofereceram propostas que orbitaram em torno de R$ 100,00: a empresa “B” ofereceu a R$ 98,00; “C”, a R$ 103,00; e “D”, a R$ 107,00.

Tendo em vista que a regra dos 10% (inciso VIII), por óbvio, não pôde ser aplicada, o pregoeiro determinou que os autores das três melhores ofertas pudessem participar da fase de lances. Portanto, as empresas “A” (R$ 50,00), “B” (R$ 98,00) e “C” (103,00) estavam aptas a oferecer novos valores. Ocorre que, em função do baixíssimo preço oferecido pela empresa “A”, as demais licitantes “B” e “C” declinaram do direito de apresentar lances. Diante da renúncia, o pregoeiro deu sequência ao processo de julgamento e iniciou a negociação com a empresa “A” que, alegando que seu preço já estava no limite, recusou-se a reduzir valores. Ato contínuo, procedeu-se à fase de habilitação, com exame do conteúdo do envelope de documentos da empresa “A”. A ausência de uma certidão de regularidade fiscal provocou a inabilitação da citada empresa.

Diante do cenário, qual seria o procedimento mais adequado à Administração?

1) Se o pregoeiro obedecesse literalmente ao dispositivo legal, nos termos do inciso XVI, chamaria a segunda classificada para examinar sua proposta e a necessária qualificação.

Com efeito, nesta primeira hipótese, o licitante “B” seria o herdeiro de uma disputa frustrada e estaria numa posição confortável de negociar com a Administração, sem a pressão inerente à concorrência, uma vez que seria o virtual vencedor, devendo preocupar-se apenas se seu preço encontrar-se-ia ou não dentro do valor referencial do órgão licitador. Sem dúvida, os demais licitantes “C” e “D” seriam flagrantemente prejudicados, pois sequer tiveram oportunidade de oferecer novos valores: a empresa “C” não ofereceu lance em função do baixíssimo preço apresentado pela empresa “A”; e a empresa “D”, porque ficou excluída da fase de lances.

De fato, não houve disputa e a aplicação literal da Lei induziu a Administração a contratar pela proposta que talvez não fosse a mais vantajosa.

2) Em situações como a que figura no exemplo citado, melhor que se aplique a interpretação lógica do texto legal, a fim de dar cumprimento aos princípios da economicidade e supremacia do interesse público.

Com a classificação das empresas “A”, “B” e “C”, indubitavelmente não houve disputa, à medida que o menor valor oferecido pela empresa “A” praticamente impediu que fossem ofertados novos lances. Com sua exclusão e considerando que no processo ainda não havia sido inaugurada uma fase de lances, entendemos que o mais propício a fazer seria retomar a fase de classificação, aplicando-se novamente a regra dos incisos VIII (regra dos 10%) ou IX (3 melhores classificados), conforme o caso. Dessa forma, as empresas “B”, “C” e “D”, agora sim, teriam condições de disputar o certame dentro de valores factíveis e reais de mercado. Estaria, portanto, restabelecido o ambiente de disputa em que a competitividade é essencial à obtenção da proposta mais vantajosa.

Publicado em 16 de maio de 2016
(Colaborou Dr. Ariosto Mila Peixoto, advogado especializado em licitações e contratos administrativos, no escritório AMP Advogados).

*Alguns esclarecimentos foram prestados durante a vigência de determinada legislação e podem tornar-se defasados, em virtude de nova legislação que venha a modificar a anterior, utilizada como fundamento da consulta

Related posts
ContratosQuestões sobre Licitações

Renovação de contrato de locação – pesquisa

Considerando a renovação de um contrato referente à locação de imóvel, onde este apresenta a…
Read more
HabilitaçãoQuestões sobre Licitações

Dispensa de licitação – dispensa de documentos de habilitação

Na dispensa em razão do valor, é possível dispensar a documentação de que tratam os artigos 29…
Read more
HabilitaçãoQuestões sobre Licitações

Desclassificação por erro na planilha

Fui inabilitado em uma licitação por não apresentar composição de custos de transportes. Tendo…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *