Outras QuestõesQuestões sobre Licitações

Estrita legalidade ou Julgamento razoável

Em uma licitação, umas das empresas foi desabilitada por não apresentar a Certidão de Tributos federais, em sua ata de eleição não constava carimbo da junta comercial, em seguida entrou com recurso, por ter sido desabilitada. Neste recurso, apresentou a certidão válida e o carimbo na junta comercial. Neste caso, os documentos podem ser aceitos? Caso contrário qual seria a solução?

Com esta consulta nos deparamos com um dos maiores dilemas no processo de julgamento da licitação:

a) agir com severidade e estrito cumprimento ao edital, em demonstração de obediência ao princípio da legalidade estrita; ou

b) o pregoeiro deve ser razoável, permitindo-se que pequenos deslizes possam ser saneados com vista à obtenção da proposta mais vantajosa, em homenagem ao princípio da juridicidade?

Para ambas as posições há farta doutrina e jurisprudência.

Para subsidiar o formalismo e a legalidade estrita, Hely Lopes Meirelles¹ refere-se ao edital como “a lei interna da licitação”, logo, qualquer violação à regra conduz à consequência lógica do descumprimento, qual seja, a exclusão do licitante do processo competitivo. No mesmo sentido de obediência estrita aos artigos 3º e 41 da Lei 8.666/93, o Superior Tribunal de Justiça, mediante REsp 421.946-0 de Relatoria do Ministro Francisco Falcão, estabeleceu:

Supondo que na Lei não existam palavras inúteis, ou destituídas de significação deontológica, verifica-se que o legislador impôs, com apoio no Princípio da Legalidade, a interpretação restritiva do preceito, de modo a resguardar a atuação do Administrador Público, posto que este atua como gestor da res publica. Outra não seria a necessidade do vocábulo “estritamente” no aludido preceito infraconstitucional”. (g.n.)

Em contraponto à legalidade estrita, temos o princípio da juridicidade apoiado na ideia da análise razoável e ponderada:

O deslinde que se impõe vai ao encontro das melhores tendências de um Direito Administrativo filtrado pela ótica do princípio da juridicidade, o qual representa a substituição da estrita legalidade administrativa pela juridicidade, ampliando os espaços destinados a um agir administrativo racional e ponderativo²”. (g.n.)

Por fim, o Supremo Tribunal Federal³ também lançou luz sobre o tema: “(…) a vinculação ao instrumento editalício deve ser entendia sempre de forma a assegurar o atendimento do interesse público, repudiando-se que se sobreponham formalismos desarrazoados.”

Não há dúvida que subsistem duas correntes bastante distintas de julgadores no âmbito administrativo (Administração Pública, Tribunais de Contas e Controladorias) e judicial. A primeira corrente segue a linha rigorosa, imprimindo ao processo de contratação a leitura rigorosa da Lei e do edital da licitação; mesmo os pequenos desvios ensejam a desclassificação do concorrente ou a anulação do procedimento. Para a segunda corrente, a avaliação que se faz da Lei ou do edital admite a interpretação cum grano salis, a ponderar o caso concreto e o contexto em que o ato foi produzido, a interferir, ainda, os princípios da razoabilidade, proporcionalidade e interesse público, a fim de que a interpretação não seja a da estrita legalidade, mas da relativização do texto da Lei ou do edital.

A tendência para o Direito Administrativo Moderno é acompanhar a evolução da sociedade. Se a legalidade estrita acaba por burocratizar em excesso o sistema, provoca a morosidade dos procedimentos e prejudica a escolha do melhor negócio para a Administração, por certo a lei não deverá ser aplicada na sua literalidade, mas da forma que melhor alcance sua finalidade.

A Relativização do Princípio da Legalidade – tal qual ocorre com o novel Princípio da Juridicidade – caminha para a interpretação que traduza a real finalidade da norma, apoiando-se na razoabilidade, na análise concreta do fato, no contexto em que se produziu o ato, nos valores e entendimentos da época e na experiência do julgador e nos benefícios ao interesse público.

No caso concreto informado na consulta, a empresa inabilitada teria descumprido duas exigências editalícias: ausência da Certidão de Tributos Federais e a falta de carimbo da Junta Comercial na Ata de Eleição. Na minha singela opinião, a ausência da certidão, per se, determina a inabilitação da empresa. Trata-se de exigência que não poderia ser suprida pela diligência, uma vez que o art. 43, § 3º, da Lei 8.666/93, proíbe a apresentação de documentos que deveriam constar originariamente da documentação; não se trata de complementação do documento existente, mas de apresentação de novo documento, razão pela qual a decisão de inabilitação seria a mais acertada. Quanto à Ata de Eleição, entendo que há maior complexidade na análise. Se a Ata de Eleição apresentada no recurso administrativo espelhasse exatamente o primeiro documento, com o acréscimo do carimbo da Junta Comercial aposto em data anterior à licitação, entendo que o documento poderia ser aceito. Explico: a Ata de Eleição foi apresentada nos documentos de habilitação, contudo, sem o carimbo. A apresentação posterior do documento carimbado com data anterior à licitação demonstraria a situação fático-jurídica regular existente previamente à fase de habilitação e, portanto, o carimbo seria apenas uma complementação da Ata de Eleição que já fazia parte dos documentos de habilitação.

No entanto, como dito, o resultado da análise do caso concreto dependerá da corrente adotada pelo julgador e dos detalhes da situação.

 

Poderia ser feita uma diligência para pedir esta documentação antes da publicação do resultado provisório?  

O saneamento dos documentos de habilitação – outro assunto polêmico – ainda é uma questão controvertida e de difícil aplicação em face da subjetividade da norma. A fase saneadora já foi regulamentada em leis Municipais e Estaduais, mas não raro causou problemas de interpretação, o que motivou a revogação desses dispositivos. No entanto, há ainda, pelo menos dois dispositivos na legislação que tratam do saneamento. São eles:

Decreto (federal) nº 5.450/05

Art. 26 – …

  • 3oNo julgamento da habilitação e das propostas, o pregoeiro poderá sanar erros ou falhas que não alterem a substância das propostas, dos documentos e sua validade jurídica, mediante despacho fundamentado, registrado em ata e acessível a todos, atribuindo-lhes validade e eficácia para fins de habilitação e classificação.

LEI ESTADUAL DA BAHIA nº 9.433/05 

Art. 78 – …

(…)

  • – É facultado à comissão ou autoridade superior, em qualquer fase da licitação, promover diligência destinada a esclarecer ou complementar a instrução do processo.
  • – A comissão poderá conceder aos licitantes o prazo de 03 (três) dias úteis para a juntada posterior de documentos cujo conteúdo retrate situação fática ou jurídica já existente na data da apresentação da proposta.
  • – Os erros materiais irrelevantes serão objeto de saneamento, mediante ato motivado da comissão de licitação

A diligência e a fase saneadora são institutos jurídicos que, infelizmente, não se aplicam tal qual uma equação matemática. Exigem a análise do caso concreto e de inúmeras variantes que interferem na decisão de complementar, corrigir ou sanear os documentos. Trata-se, pois, de uma análise subjetiva e casuística, e que a experiência do julgador é determinante para a correta decisão.

Sobre o tema, sugerimos que acesse também o artigo sobre “erro formal e erro material” disponível no site.

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 1. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro, 19ª ed., Malheiros Editores, p.250/1.

2. TRF2, 17/02/2009, AC 200551010089131, Desembargador Federal POUL ERIK DYRLUND

3. STF, RO em MS 23.714-1/ DF rel. Ministro Sepúlveda Pertence – DJ 13.10.00.

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Publicado em 28 de Junho de 2019

(Colaborou Dr. Ariosto Mila Peixoto, advogado especializado em licitações e contratos administrativos, no escritório AMP Advogados).

*Alguns esclarecimentos foram prestados durante a vigência de determinada legislação e podem tornar-se defasados, em virtude de nova legislação que venha a modificar a anterior, utilizada como fundamento da consulta.

 

 

Related posts
EditalQuestões sobre Licitações

Empresa Recém criada – Sem atestado

No edital pedi atestado de capacidade técnica, como um dos requisitos para habilitação, no…
Read more
Questões sobre LicitaçõesRegistro de Preço

Revisão de Preços Registrados

Os valores registrados em ata de registro de preços podem sofrer alteração?  Na prática é…
Read more
Dispensa e InexigibilidadeQuestões sobre Licitações

Limite da Dispensa de Licitação

Quantos COTEP posso fazer por ano? O que preciso observar na hora de fazer o COTEP, posso fazer…
Read more

4 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *