Notícias

TCE suspende licitação de R$ 115 milhões em Barra do Garças

Representação apontou supostas irregularidades no edital; decisão de conselheira tem caráter liminar

A conselheira interina Jaqueline Jacobsen determinou, por meio de medida cautelar, a suspensão do processo licitatório para concessão de serviços de iluminação pública em Barra do Garças (a 516 km de Cuiabá), estimado R$ 115 milhões.

A decisão foi tomada em razão de supostas irregularidades no edital da Concorência Pública Internacional 1/2019, apontadas na Representação de Natureza Externa proposta pela Empresa Eletromatic Controle e Proteção Eireli, em desfavor da Prefeitura de Barra do Garças.

Foram notificados o prefeito de Barra do Garças, Roberto Ângelo de Farias, e a secretária de Administração Municipal, Patrícia Parreira Saraiva que, caso descumpram a determinação, estarão sujeitos à multa diária de 10 UPFs.

O edital tem como objeto a delegação do serviço por meio de concessão administrativa, incluídos o desenvolvimento, modernização, ampliação, eficientização energética, operação e manutenção, com prazo contratual de 20 anos, no valor total de R$ 115.773.693,50.

A representante informou que, em 21/5/2019, protocolou impugnação contra cláusulas contidas no edital, por estarem em desconformidade com as disposições legais e resultar na restrição da competitividade, tais como: a) exigência de atestados de capacidade técnico-operacional registrados no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), acompanhados das respectivas certidões de acervo técnico expedidas pelos conselhos correspondentes; b) ilegalidade da exigência da qualificação técnico operacional; c) divergência da quantidade de pontos existentes; d) exigência de capacitação técnica acima do permissivo legal e e) exigências de qualificação técnico-profissional.

De acordo com a representação, o mérito da impugnação não foi analisado à época, pois a Comissão de Licitação teria indeferido equivocadamente, por intempestividade, em dissonância com o artigo 41,§ 2º da Lei 8.666/1993.

A conselheira interina ainda alertou aos responsáveis que, ao analisar os achados da equipe de auditoria, caso se confirmem os apontamentos, é possível anular o certame licitatório, inclusive para deflagração de novo edital corrigido.

(Fonte: Mídia News)

Related posts
Notícias

Um ano após queda de viaduto na Marginal Pinheiros, Prefeitura de SP faz sete obras emergenciais na cidade

Vistoria identificou 12 locais que precisavam de obras emergenciais, entre pontes, viadutos…
Read more
Notícias

MP move ação contra Eduardo Paes por fraude em licitações

Entidade denuncia ex-prefeito por desvio de verbas da educação para cobrir irregularidades em…
Read more
Notícias

JF/DF garante processamento de recurso em licitação feita por pregão eletrônico

Conforme liminar, impetrante motivou suficientemente a pretensão. O juiz Federal substituto Bruno…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *