Notícias

Suspensa decisão que obrigava nova licitação de centro de convenções

O município de Joinville (SC) conseguiu suspender decisão que determinava nova licitação para a concessão do complexo Expoville. A suspensão foi determinada liminarmente pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha.

Segundo ele, a manutenção da decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina que ordenou a nova licitação gera grave lesão à economia pública do município. A decisão é válida até o julgamento do recurso especial sobre o caso.

O acórdão do TJ-SC ordenou o encerramento do contrato atual de concessão da Expoville e a promoção de novo procedimento licitatório no prazo de até 18 meses — a contar de 11 de dezembro de 2018 —, caso a Prefeitura de Joinville tenha interesse em manter o complexo de eventos e lazer sob administração da iniciativa privada.

A prefeitura alegou, no pedido de suspensão feito ao STJ, que a manutenção da decisão do TJ-SC provoca grave lesão à economia e afronta o interesse público. Argumentou que a ordem para realizar nova licitação até 10 de junho de 2020 põe em risco o interesse público e o município, que poderá sofrer processos indenizatórios caso tenha de romper o contrato firmado com o Consórcio Viseu-Caex (que atualmente administra a Expoville), o qual tem valor superior a R$ 52 milhões e duração de 25 anos.

Na primeira análise do pedido, o presidente do STJ considerou que o município não havia demonstrado de forma convincente a alegada lesão à ordem econômica. Diante de novos argumentos apresentados pelo requerente, Noronha reconsiderou sua posição.

Segundo o ministro, a decisão do TJSC, de fato, tem o potencial de causar grave lesão à economia de Joinville, pois “a municipalidade terá de – no prazo aproximado de três meses (até 10 de junho de 2020) – realizar novo procedimento licitatório e proceder à resolução antecipada de contrato firmado com o citado consórcio, o que ensejará despesas e indenizações significativas”.

De acordo com Noronha, ficou comprovado nos autos que o complexo Expoville estimula diversos setores da economia local, especialmente os de turismo e negócios, gerando receitas diretas e indiretas que propiciam significativo desenvolvimento para o município.

“Sem adentrar o mérito da ação principal referente à suposta nulidade do certame licitatório, questão essa que deve ser discutida nas vias próprias, entendo que a manutenção da decisão impugnada no pleito suspensivo enseja grave lesão à economia pública da municipalidade”, concluiu o ministro ao deferir a suspensão. Com informações da assessoria de imprensa do STJ.

(Fonte: Consultor Jurídico)

Related posts
Notícias

Licitação é suspensa após exigir somente pneus brasileiros para frota de município

Decisão foi tomada pelo TCE-MS após denúncia Pregão presencial n.º 17/2020 feito pela…
Read more
Notícias

Licitação para pavimentação e drenagem do Setor 12 está na fase final

Obra compreende a pavimentação em blocos pré-moldados de concreto em uma área de 5.871,08 metros…
Read more
Notícias

Covid-19: GDF publica dispensa de licitação para hospital no Mané

Secretaria de Saúde vai contratar empresa da construção civil para levantar hospital de campanha…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *