Notícias

STF adia julgamento de decreto sobre governança e licitações em campos da Petrobras

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, pediu na tarde desta quarta-feira vista do processo que discute os efeitos de um decreto que define regras de governança para cessão de direitos em campos da Petrobras, incluindo a desobrigação de licitações na contratação de serviços.

O pedido, que adia a votação do assunto que está na corte desde 2018, foi feito após o placar do julgamento estar empatado em 4 votos a 4.

Se o decreto assinado pelo então presidente Michel Temer em 2018 for derrubado, isso poderia prejudicar venda de ativos da Petrobras, além das contratações de bens e serviços pela empresa e suas sócias privadas nas áreas e exploração e produção.

Analisando uma ação movida pelo Partido dos Trabalhadores, que questiona o decreto, o relator do processo, Marco Aurélio Mello, votou para derrubar os efeitos da norma.

Para ele, o decreto criou ilegalmente um “verdadeiro microssistema licitatório”.

Contudo, o relator argumentou que essa iniciativa do governo de editar um decreto contraria a Constituição, que impõe o uso da Lei de Licitações.

Marco Aurélio citou ainda que, sob o ângulo da licitação, o decreto presidencial referente à Petrobras exclui de uma eventual tomada de preços a melhor oferta como vencedor.

A posição do relator foi acompanhada pelos ministros Luiz Edson Fachin, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski.

O ministro Luiz Fux, que pediu para antecipar seu voto em razão de um compromisso, abriu a divergência e votou para manter os efeitos do decreto. Foi acompanhado pelos colegas Alexandre de Moraes, Roberto Barroso e Gilmar Mendes.

Moraes defendeu o decreto e disse que a norma admitiu a possibilidade de não se adotar o “regramento geral da licitação”, melhorando a governança da estatal.

O decreto permite que as contratações de bens e serviços efetuadas pelos consórcios operados pela Petrobras fiquem sujeitas ao regime próprio das empresas privadas, hipótese em que não se aplica o procedimento licitatório.

Não votaram ainda no julgamento, por estarem ausentes, os ministros Cármen Lúcia e Celso de Mello.

Para se declarar uma norma inconstitucional é preciso de ao menos 6 dos 11 votos dos ministros.

Ainda não há uma data para o assunto voltar ao plenário do STF.

(Fonte: Extra.Globo)

Related posts
Notícias

Prefeitura inicia licitação para executar obras no aeroporto de Sorriso

A prefeitura de Sorriso abriu procedimento licitatório para contratar a empresa que vai elaborar o…
Read more
Notícias

Juiz é afastado por suspeita de favorecimento à empresa em licitação do Porto Seco de Anápolis

TRF-1 impediu juiz Alaor Piacini de julgar a causa após comprovado que seu filho, Odasir Piacini…
Read more
Notícias

Com licitação concluída, obra para recuperar passarela começa na semana que vem

Garantia foi dada pelo secretário de Infraestrutura de Florianópolis, Valter Galina…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *