Notícias

Prefeitura suspende licitação para usina verde

A medida foi tomada para que a Secretaria de Serviços Públicos possa responder questionamento em relação à alíquota de ISS prevista no edital

A Prefeitura suspendeu hoje a licitação para a contratação de empresa que irá operar a usina verde de Campinas. A medida foi tomada para que a Secretaria de Serviços Públicos possa responder questionamento em relação à alíquota de Imposto Sobre Serviço (ISS) prevista no edital. Apesar da suspensão, a usina será inaugurada dia 11, com a previsão de processar cerca de 300 toneladas diárias de restos de frutas da Ceasa, lodo de esgoto da Sanasa, além de galhos, folhas e grama das podas dos espaços municipais da cidade.

A usina já está operando experimentalmente com o processamento de 100 toneladas diárias de resíduos orgânicos. A previsão é que essa fase, que utiliza mão de obra de reeducandos, seja prolongada até que a licitação defina a empresa que irá fazer a operação.

A Usina de Compostagem de Lixo Verde funciona no Centro Experimental Central do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), na Fazenda Santa Elisa. A infraestrutura necessária está pronta já há alguns meses, à espera da liberação da licença de operação da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). A licença saiu há um mês.

O adubo orgânico produzido será usado nas áreas verdes da cidade, nas culturas do IAC e o excedente será encaminhado à Ceasa, para ser comercializado a produtores agrícolas. A estimativa do secretario de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, é que de 10% a 20% do adubo serão utilizados nos experimentos do IAC para, no período de teste, certificar a fertilidade do adubo e emitir selo de qualidade da instituição. Igual volume irá para as praças e áreas verdes da cidade. Os 60% excedentes serão comercializados pela Ceasa.

Cerca de R$ 8 milhões foram investidos na aquisição de equipamentos, pelos parceiros envolvidos, custo que, segundo estimativa da Prefeitura, se pagará em um ano com a redução do custo de transporte e disposição do material em aterro.

Entre os equipamentos está um desintegrador, adquirido pela Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa). É uma espécie de moinho do tamanho de uma carreta, com capacidade para triturar troncos de árvores com até um metro de diâmetro e transformá-los em serragem. Ele será usado para triturar galhos, resíduos de varrição e rejeitos.
A proposta é que a usina também receba resíduos verdes do setor privado, que pagará por tonelada depositada.

(Fonte: Correio)

Related posts
Notícias

Caxias do Sul lança licitação do transporte coletivo

A prefeitura de Caxias do Sul, cidade gaúcha com população de mais de 500 mil habitantes, vai…
Read more
Notícias

PF faz buscas na sede do governo do Pará em investigação que mira vice-governador

Lúcio Vale é suspeito de participar de esquema de fraudes em licitação. O governo do Pará…
Read more
Notícias

Advogados poderão ser contratados sem licitação

Foi aprovado na noite desta quarta-feira (11) no Plenário do Senado, em votação simbólica, a…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *