Notícias

Operação Alcatraz cumpre mandados por fraudes em licitação de serviços públicos em Santa Catarina

Buscas e prisões acontecem em quatro municípios do Estado na manhã desta quinta-feira (30)

A Polícia Federal e a Receita Federal cumprem 42 mandados de busca e apreensão em órgãos públicos, empresas e residências de Florianópolis, São José, Antônio Carlos, Ituporanga, em Santa Catarina; e na cidade de Vinhedo, em São Paulo, na manhã desta quinta-feira (30). A Operação Alcatraz, que envolve 180 policiais federais e 40 servidores da Receita, também já cumpriu 11 mandados de prisão, sendo sete preventivas e quatro temporárias. Segundo a PF, esta é apenas uma fase da operação.

Um dos mandados de prisão foi cumprido em Ituporanga, no Alto Vale do Itajaí, outros nove na região da Grande Florianópolis e um em Vinhedo, no interior de São Paulo. Os suspeitos presos, segundo o superintendente regional da Polícia Federal, Ricardo Cubas Cesar, são servidores públicos, empresários e advogados. De acordo com ele, a investigação está em sigilo e os nomes ainda não podem ser divulgados.

De acordo com a Polícia Federal, também foram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão em Florianópolis e região — quatro deles em São José, um em Antonio Carlos, um em Ituporanga e um no município de Vinhedo (SP). Um dos mandados de busca e apreensão, segundo a PF informou em coletiva, foi cumprido na casa do deputado estadual Julio Garcia (PSD), presidente da Assembleia Legislativa de SC (Alesc).

Não houve cumprimento de mandado de prisão contra o deputado, esclareceu ainda a PF. A diretoria de comunicação da Alesc informou que só vai se manifestar quando tiver acesso a todas as informações referente ao caso.

O objetivo da operação é combater fraudes a licitações. Segundo a PF, estão sendo investigados desvios de recursos públicos relacionados a contratos de prestação de serviço de funcionários terceirizados e do ramo de tecnologia firmados com órgãos do executivo estadual. Apesar de não dar mais detalhes, o delegado da Polícia Federal, Igor Irigon Gervini, afirma que a investigação não foi fundamentada em crime eleitoral.

O inquérito foi instaurado em fevereiro de 2017. De acordo com a Receita Federal, foram identificados dois grupos empresariais que atuam na prestação de serviços a órgãos públicos e estariam adquirindo “notas frias” de empresas inexistentes para acobertar o pagamento de propina a agentes públicos.

O esquema teria sido identificado durante procedimentos de fiscalização, que foram encaminhados ao Ministério Público, dando início à investigação criminal. Foram constituídos R$ 100 milhões em créditos tributários em nome dos diversos contribuintes que participavam do esquema de pagamento de propinas.

Investigação
De acordo com a Polícia Federal, um empresário teria confessado, durante o procedimento fiscal, que mantinha uma empresa de publicidade de fachada. A empresa simulava a prestação de serviços a grupos empresariais com atuação no ramo de terceirização de mão-de-obra que mantinham contratos com órgãos públicos catarinenses. A PF afirma que, segundo esse empresário, o esquema foi montado para possibilitar repasse de valores a agentes públicos.

A investigação teria apontado, segundo a PF, indícios de que entre os anos de 2009 e 2018 agentes públicos e servidores no âmbito da Secretaria da Administração do Estado de Santa Catarina (SEA/SC), junto com empresários, teriam atuado de forma fraudulenta em diversos processos licitatórios, resultando na celebração de contratos públicos superfaturados.

Durante a coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira, a PF ainda detalhou que ao menos 15 contratos e aditivos da SEA/SC estão sendo investigados. Os documentos são referentes aos serviços de tecnologia.

De acordo com a PF, outro empresário, com atuação no ramo de tecnologia, em cumplicidade com um agente público e um servidor, teria atuado para fraudar processos licitatórios da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (EPAGRI/SC) que tramitaram entre os anos de 2015 e 2017, acarretando outros acordos superfaturados e possíveis pagamentos de vantagens indevidas a agentes públicos.

No âmbito da Epagri, segundo a PF, quatro contratos estão sendo investigados. Ele seriam referente a serviços para aquisição e suporte de equipamentos de videoconferência.

Prejuízo aos cofres públicos
A investigação apontou um prejuízo aos cofres públicos, em razão dos ajustes fraudulentos, estimado em cerca de R$ 25 milhões quanto à SEA/SC e em cerca de R$ 3 milhões em relação à Epagri/SC, ambos em contratos ligados à área de tecnologia, conforme Polícia Federal.

Para promover o ressarcimento aos cofres públicos, foi solicitado o bloqueio de valores pertencentes a 21 pessoas, entre físicas e jurídicas, até um limite de cerca de R$ 66 milhões, além do sequestro de 6 imóveis de alto padrão, 10 veículos e duas motos aquáticas (jet ski).

Os materiais apreendidos deverão servir de base para a abertura de novos procedimentos fiscais relacionados aos crimes de fraude a licitação, violação de sigilo funcional, tráfico de influência, corrupção e lavagem de dinheiro sob investigação.

Informações sobre os materiais apreendidos ainda não foram divulgadas.

Contrapontos
Epagri
Por nota enviada na manhã desta quinta-feira, a Epagri/ SC informou que “foi surpreendida pelas denúncias que remetem a fatos ocorridos entre 2015 e 2017” e que “até o momento, a empresa ou seus atuais dirigentes não foram alvo de nenhum mandado judicial referente a essa investigação”. Por fim, destacou que está à disposição da PF para colaborar com as investigações, “assegurando a plena continuidade dos serviços públicos à sociedade catarinense”.

SEA/SC
Também por nota, a Secretaria de Estado de Administração (SEA) esclareceu que “a investigação abarca contratos firmados em gestões anteriores, entre os anos 2009 e 2018, e que até o momento não foi oficialmente notificada sobre o caso”. Além disso, afirmou que vai “buscar mais informações para verificar se há contratos firmados que ainda estão em andamento e avaliar possíveis repercussões administrativas”. Por fim, pontou que permanece à disposição das autoridades para colaborar com a investigação e prestar todos os esclarecimentos necessários.

(Fonte: NSC Total)

Related posts
Notícias

Prefeitura acata recomendação e revoga licitação da Expomang 2019

O Poder Executivo de Mangueirinha acatou recomendação administrativa expedida pelo Ministério…
Read more
Notícias

MPMS nega recurso em licitação para revestir paredes e suspende instalação de gradil

Empresa JM Comércio, Construção e Serviços venceu processo de licitação feito pelo MPMS O MPMS…
Read more
Notícias

Liminar suspende multa aplicada a uma empresa de Goiânia que desistiu de licitação após sofrer interdição da Vigilância Sanitária

Uma distribuidora de produtos hospitalares de Goiânia conseguiu na Justiça liminar para suspender…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *