Notícias

Licitação da Lapa para limpeza urbana é suspensa por medida cautelar do TCE-PR

O relator do processo, conselheiro Ivan Bonilha, acolheu a argumentação da representante

A existência de exigências possivelmente irregulares para a habilitação de empresas interessadas em participar do Pregão Presencial nº 127/2019, lançado pelo Município da Lapa, na Região Metropolitana de Curitiba, levou o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) a adotar medida cautelar para suspender o certame. A disputa, com valor máximo previsto de R$ 1.755.800,00, tem como objetivo a contratação de empresa especializada em limpeza pública urbana, para a prestação de serviços de varrição de ruas e praças, pode de árvores e capina manual e mecânica de vegetação, entre outros.

O ato foi provocado por Representação da Lei nº 8.666/1993 (Lei de Licitações e Contratos) interposta por Cleide Maria Ieni Bueno. Conforme a interessada, o edital da licitação prevê que, para fins de habilitação a participar do certame, as licitantes e seus responsáveis técnicos demonstrem estar registrados no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-PR) ou no Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-PR), bem como que esses profissionais façam parte do quadro permanente da empresa.

O relator do processo, conselheiro Ivan Bonilha, acolheu a argumentação da representante. Para ele, as exigências são possivelmente irregulares, podendo resultar na restrição à competitividade do certame e na consequente realização de uma contratação desfavorável ao interesse da administração pública.

Em seu despacho, Bonilha explicou que, a princípio, o objeto pretendido – varrição de vias públicas, poda de árvores, capina de vegetação entre outras atividades – não demanda serviços de engenharia que dependeriam de registro nas referidas entidades. Ele ressaltou ainda que, conforme a jurisprudência do Tribunal de Contas da União (TCU) e do próprio TCE-PR, não se pode exigir vínculo empregatício do responsável técnico com a empresa licitante.

O despacho, de 8 de novembro, foi homologado na sessão do Tribunal Pleno do TCE-PR desta quarta-feira (27). Com a suspensão, foi aberto prazo de 15 dias para apresentação de defesa por parte do Município da Lapa. Os efeitos da medida perduram até que o Tribunal decida sobre o mérito do processo.

(Fonte: CGN)

Related posts
Notícias

Caxias do Sul lança licitação do transporte coletivo

A prefeitura de Caxias do Sul, cidade gaúcha com população de mais de 500 mil habitantes, vai…
Read more
Notícias

PF faz buscas na sede do governo do Pará em investigação que mira vice-governador

Lúcio Vale é suspeito de participar de esquema de fraudes em licitação. O governo do Pará…
Read more
Notícias

Advogados poderão ser contratados sem licitação

Foi aprovado na noite desta quarta-feira (11) no Plenário do Senado, em votação simbólica, a…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *