Notícias

Justiça suspende licitação do porto seco de Anápolis

Assim, anulou publicação da Receita Federal que havia oficializado a vitória da Aurora da Amazônia no certame

No dia 26 de junho, a desembargadora Daniele Maranhão suspendeu a licitação do porto seco de Anápolis por 60 dias. Assim, anulou publicação da Receita Federal que havia oficializado a vitória da Aurora da Amazônia no certame.

Dessa forma, ao extinguir o processo, manteve-se a invalidade da Certidão de Uso e Ocupação do Solo ao anular a liminar proferida pelo juiz de Anápolis.

A autora do pedido da suspensão é a concorrente no processo licitatório, Porto Seco Centro Oeste S/A. Com isso, ela terá 60 dias para apresentar sua defesa pela anulação da vitória da Aurora.

Entenda

A Aurora havia vencido a proposta comercial na primeira fase da licitação pela concessão do porto seco de Anápolis. Entretanto, foi considerada inabilitada pela Comissão Especial de Licitação (CEL). Apesar disso, conseguiu reverter a situação.

Antes, a Porto Seco Centro Oeste S/A, segunda colocada na proposta comercial, acusou a Aurora de atribuir valores fictícios aos documentos apresentados na primeira fase da licitação. A empresa vencedora respondeu que a “segunda colocada” buscava recursos diversos, sem sucesso, à luz das legislações e das decisões de órgãos federais.

Inclusive, em nota, nesta segunda, a Aurora, apesar de celebrar a decisão, disse lamentar “a conturbada corrida até esta – marcada por muitos recursos sem êxito contra a sua melhor proposta comercial”.

A empresa garantiu, inclusive, que seriam investidos R$ 80 milhões iniciais e gerados 1.500 empregos (diretos e indiretos). Porém, com a nova decisão o processo volta à estaca zero e a disputa continua.

Em nota, a Aurora se posicionou:

Com surpresa recebemos em 26 de junho a informação de que a justiça suspendeu a liminar que deu vitória à Aurora da Amazônia na licitação do Novo Porto Seco de Anápolis.

Entretanto, ressaltamos que a suspensão é provisória e que a Aurora da Amazônia ainda é considerada a vencedora do certame licitatório pela Receita Federal do Brasil, conforme publicação no Diário Oficial da União em 10 de junho de 2019.

A situação envolvendo a área em questão foi o Município quem deu causa, de modo que a Aurora da Amazônia não pode ser prejudicada na licitação por um ato da administração pública.

A empresa permanece aguardando o desfecho do processo para dar início aos investimentos iniciais na ordem de R$ 80 milhões e nos esforços para a geração de cerca de 1.500 empregos (diretos e indiretos), trazendo benefícios, modernidade e desenvolvimento já amplamente divulgados, que são de conhecimento da sociedade, do parque industrial de Anápolis, de Goiás e de todo Brasil.

(Fonte: Jornal Opção)

Related posts
Notícias

Drenagem na Avenida W-11: Licitação para corrigir cratera é adiada

A licitação para contratação de empresa para realização do serviço parcial de drenagem da…
Read more
Notícias

TCE suspende licitação de compra de combustíveis da Prefeitura de Coxim

Prefeitura tem cinco dias para apresentar defesa Prefeitura de Coxim tem licitação de compra de…
Read more
Notícias

Ministério Público apura ‘direcionamento’ em licitação da Saúde de Campina Grande

Empresa citada pelo MP teria recebido mais de R$ 8,3 milhões do Fundo Municipal de Saúde desde…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *