Notícias

Fundação Hospitalar gera mais economia ao Estado

A Fundação Piauiense de Serviços Hospitalares (Fepiserh) encerrou, no final de fevereiro, a licitação de medicamentos e conseguiu gerar uma economia estimada de quase 70%. A iniciativa faz parte do plano de organização estrutural e otimização financeira dos hospitais Getúlio Vargas (HGV), Natan Portela, Lucídio Portela (Infantil), Justino Luz (Picos), Cândido Ferraz (São Raimundo Nonato) e Chagas Rodrigues (Piripiri), que são os hospitais geridos pela Fundação e foram beneficiados.

Ao todo, são 625 medicamentos – desde fármacos para transplante, não rejeição de órgãos, antibióticos e demais áreas médicas – foram incluídos na processo licitatório, que foi homologado pelo presidente da Fundação Hospitalar, Pablo Santos, e entrou em vigência ainda no início de março.

Este foi o décimo processo licitatório finalizado pela Fepiserh que, desde novembro de 2017, começou efetivamente a executar o plano de otimização financeira abrangendo os seis hospitais os quais foi contratada para gerir. Os outros processos licitatórios já concluídos são: mão de obra terceirizada, segurança patrimonial, locação de equipamentos médicos, gêneros alimentícios perecíveis (Picos, Piripiri e São Raimundo Nonato), gêneros alimentícios não-perecíveis, material de consumo e água mineral. O penúltimo, mão de obra terceirizada, concluído em janeiro de 2018, gerou um economia real de 30% aos cofres do Estado, tendo maior abrangência dos serviços.

Débora Elvas, coordenadora do setor de licitação da Fundação, explica que a economia é baseada no valor estimado da licitação, que é o obtido através da média de pesquisas de mercado. Ela destaca que a unificação dos processos licitatórios dos seis hospitais, que antes eram individualizados, é a principal medida para o ajuste financeiro e redução dos valores licitados. “Quando realizamos uma única licitação para as seis instituições, obviamente vamos conseguir valores bem melhores e muito abaixo do valor estimado, gerando uma excelente economia para a Fundação, Saúde e Estado, que também é revertida para os hospitais, individualmente”, explica.

Para o presidente da Fepiserh, Pablo Santos, a economia gerada pela unificação dos contratos licitatórios de medicamentos reflete diretamente em melhorias nos hospitais, já que as verbas são redirecionadas para outras áreas e setores que necessitam de aperfeiçoamento e benfeitorias. “O objetivo do contrato de gestão entre Secretaria de Saúde e Fundação Hospitalar sempre foi aprimorar a estrutura dos hospitais e otimizar financeiramente essas casas. Estamos conseguindo cumprir essas metas, mas queremos ultrapassar os indicadores pretendidos. Juntamento com os diretores de cada hospital, estamos empenhados em melhorar o atendimento aos pacientes, assim como, a saúde financeira de cada instituição”, destaca.

(Fonte: GOverno do Piaui)

Related posts
Notícias

Governo do RJ anuncia licitação para retomar obras do metrô na Gávea

Retomada será apenas para reforço da estrutura que, atualmente, está alagada. Projeto foi…
Read more
Notícias

Prefeitura de Campo Grande suspende licitação de R$ 8,2 milhões que previa compra de seringas

Concorrência tinha sido aberta há 10 dias Foi suspensa a licitação de R$ 8.253.726,56 para…
Read more
Notícias

Rio Negro abre licitação para construção de ponte com 40m de extensão

Propostas serão abertas no dia 3 de novembro A Prefeitura Municipal de Rio Negro abriu licitação…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *