Notícias

Esquema desviou R$ 700 mil de Superintendência de Trânsito, diz MP


Órgão investiga fraudes em licitações que contrataram empresa de fachada.
Promotor afirma que ex-superintendente desviava pagamentos, em Goiás.

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) estima que esquema de fraude investigado em operação desviou cerca de R$ 700 mil da Superintendência Municipal de Trânsito de Aparecida de Goiânia (SMTA), na Região Metropolitana da capital. O órgão afirmou que um ex-superintendente da unidade fraudou licitações usando uma empresa de fachada e desviava os valores pagos pelos serviços de transporte prestados para a conta da esposa dele.

Durante a operação, o ex-superintendente, que não teve a identidade revelada, e três parentes dele foram presos preventivamente nesta quinta-feira (6). Outras oito pessoas foram conduzidas coercitivamente para serem ouvidas na sede do MP-GO, em Goiânia. Também foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão.

O promotor responsável pelas investigações do caso, Leonardo Seixlack Silva, explicou que as apurações começaram há um ano, quando o MP-GO recebeu uma denúncia anônima sobre o fato. O órgão apurou que os pagamentos de R$ 12 mil mensais à empresa de fachada eram feitos desde 2009.

“O superintendente da época das fraudes se valia de uma empresa de fachada que estava no nome de laranjas, familiares dele. A partir disso, ele fraudou várias licitações para contratar caminhões que pertenciam a essa empresa de fachada, da qual ele era o proprietário de fato. Utilizando desses contratos que foram firmados com a SMTA, o dinheiro que ia para a empresa, um representante sacava das contas da empresa e depositava de volta na conta da esposa do ex-superintendente, mensalmente”, explicou.

Também conforme o promotor, as pessoas contratadas pela empresa eram parentes do ex-superintendente. Há ainda a investigação do crime de peculato entre os suspeitos, já que alguns materiais da SMTA eram usados para fins pessoais do ex-superintendente.

“Outros servidores estão envolvidos. Uma servidora imprimia notas fiscais da empresa [de fachada], eles faziam todo serviço para empresa dentro da SMTA e outros desviavam os bens”, afirmou o promotor.

Segundo Silva, os presos devem responder pelos crimes de fraude a licitação, organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Aparecida de Goiânia informou por meio de nota que o atual presidente da SMTA, Luziano Costa, “está colaborando com a investigação do Ministério Público e da Polícia Civil do Estado de Goiás para que todos os fatos sejam devidamente apurados e esclarecidos”.

(Fonte: G1)

Related posts
Notícias

PCDF investiga empresários que usaram robô para fraudar licitação

Suspeitos criaram softwares proibidos para dar lances automáticos em pregões eletrônicos…
Read more
Notícias

Aberta licitação para construir sede do MP em Nova Mutum; investimento de R$ 4,2 milhões

A prefeitura de Nova Mutum divulgou no Diário Oficial do Estado que as empresas interessadas em…
Read more
Notícias

Governo revê licitação de R$ 147 milhões

O governo do Estado suspendeu licitação para contratação de uma empresa para gerenciar a…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *