Notícias

Consulta ao Banco de Preços em Saúde é obrigatória em licitação de medicamentos

Na formação do preço máximo de licitação para aquisição de medicamentos, os municípios devem obrigatoriamente consultar o Banco de Preços em Saúde (BPS), utilizando como parâmetro o valor da média ponderada, e adotar o Código BR para a identificação dos itens. Além disso, devem consultar outras fontes de pesquisa para formação do preço de referência, como o Comprasnet (federal) e o Ccomprasparana (estadual), e cotar diretamente junto a fornecedores.

A administração municipal deve estabelecer uma cesta de preços aceitáveis e analisá-la de forma crítica, especialmente quando houver grande variação entre os valores apresentados. Todas as consultas realizadas devem constar de forma expressa, detalhada e justificada no procedimento administrativo utilizado para a definição do preço de referência.

Esta é a orientação do Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Paraná, em resposta à Consulta formulada pela prefeita do Município de Ortigueira, Lourdes Banach, na qual questionou se a aplicação da média ponderada dos preços dos medicamentos registrados pelos municípios no BPS, especialmente aqueles que representam a mesma região geográfica, poderia ser utilizada como critério único de formação de preço máximo em licitação.

A consulente também indagou qual seria a metodologia adequada para a formação dos valores máximos indicados nos termos de referência de certames que envolvam a compra de medicamentos.

BPS e Código BR

O BPS é um sistema criado pelo Ministério da Saúde (MS) com o objetivo de registrar e disponibilizar online as informações das compras públicas e privadas de medicamentos e produtos para a saúde. Sua alimentação, pelos estados, municípios e Distrito Federal tornou-se obrigatória a partir de junho de 2017, em razão de disposição do artigo 3º da Resolução nº 18/2017 da Comissão Intergestores Tripartite (CIT): ministro da Saúde, presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde e presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde.

O Código BR é um identificador de cada medicamento adquirido pelo Poder Executivo Federal e faz parte do Catálogo de Materiais do Comprasnet, constante do portal de compras do governo federal e administrado pelo Ministério da Economia. O parágrafo 4º do artigo 2°da Instrução Normativa n° 5/2014, da Secretária de Logística e Tecnologia da Informação desse ministério, dispõe sobre a necessidade de estabelecimento de uma cesta de preços aceitáveis, que deve ser analisada de forma crítica, em especial quando houver grande variação entre os valores apresentados.

Instrução do processo

A Supervisão de Jurisprudência e Biblioteca (SJB) do TCE-PR informou que o Acórdão nº 4624/17 – Tribunal Pleno estabeleceu diretrizes para a utilização de BPS na fixação do preço máximo nas contratações públicas. A Coordenadoria de Gestão Municipal (CGM) esclareceu que o TCE-PR e o Tribunal de Contas da União (TCU) entendem que o poder público deve utilizar múltiplas fontes de pesquisa para se aproximar dos preços praticados pelo mercado. E acrescentou que a administração deve avaliar de forma crítica os valores obtidos, descartando aqueles muito dissonantes das outras fontes – muito abaixo ou muito acima.

A unidade técnica lembrou que o BPS tem como base os registros de aquisição de medicamentos feitos pelas mais diversas entidades da administração pública; mas não há como garantir que todos os preços registrados representaram maior vantagem ou condizem com os preços de mercado, pois não se sabe como cada entidade conduziu o seu procedimento licitatório. Assim, concluiu que o BPS deve ser utilizado de forma preferencial pelos órgãos públicos, mas não como fonte única, pois possui particularidades que podem gerar distorções.

o Ministério Público de Contas (MPC-PR) concordou com a CGM e acrescentou que a consulta ao BPS deve ser obrigatória, como já determinado pelo TCE-PR por meio de medidas cautelares. O órgão ministerial ressaltou, ainda, que o Código BR deve ser adotado como identificador dos medicamentos, para garantir a constatação dos valores praticados no mercado, viabilizar a padronização das compras promovidas pelo poder público e possibilitar a eficiente fiscalização do TCE-PR.

Decisão

Ao fundamentar o seu voto, o relator do processo, conselheiro Fabio Camargo, afirmou que o BPS é uma referência obrigatória sobre os preços pagos por órgãos e entidades da administração pública, criado em atendimento ao previsto no artigo 15, V, da Lei nº 8.666/93 (Lei de Licitações e Contratos).

Camargo ressaltou que a utilização de fonte única para coletar os preços pode gerar distorções capazes de influenciar negativamente a licitação, desde a fase interna até a fase de execução contratual, pois uma cotação mal planejada pode afastar potenciais interessados e prejudicar a concorrência.

O conselheiro acrescentou que a utilização de uma só fonte pode também resultar em dificuldades na execução do futuro contrato a ser firmado, pois preços muito abaixo do padrão do mercado podem gerar a inexequibilidade do objeto ou obrigar a administração ao reequilíbrio econômico-financeiro para que não haja um dano maior com a rescisão contratual; e preços muito acima dos praticados pelo mercado geram prejuízo ao erário e não refletem a vantagem econômica que se busca por meio de licitações.

O relator destacou que os mesmos fundamentos adotados para a obrigatoriedade da utilização do BPS em saúde são aplicáveis à adoção do Código BR, na realização de licitações para compra de medicamentos.

Camargo lembrou, ainda, que o TCE-PR já expediu anteriormente medidas cautelares que, entre outras medidas, determinaram que os gestores adotem o Código BR do catálogo de materiais do Comprasnet tanto para a pesquisa de preços de referência quanto para a identificação dos medicamentos que pretendem licitar (acórdãos números 2161/18, 2162/18 e 2934/18, todos do Tribunal Pleno). Ele frisou que nessas decisões foi destacada a obrigatoriamente promover pesquisa de preços no BPS, para evitar sobrepreço.

Os conselheiros aprovaram o voto do relator, por unanimidade, na sessão do Tribunal Pleno de 22 de maio. O Acórdão nº 1393/19 – Tribunal Pleno foi publicado em 5 de junho, na edição nº 2.073 do Diário Eletrônico do TCE-PR, veiculado no portal www.tce.pr.gov.br. A decisão transitou em julgado na última sexta-feira (9 de agosto).

Serviço

Processo nº: 602061/18
Acórdão nº 1393/19 – Tribunal Pleno
Assunto: Consulta
Entidade: Município de Ortigueira
Interessado: Lourdes Banach
Relator: Conselheiro Fabio Camargo

(Fonte: Tribuna do Vale)

Related posts
Notícias

Operação 'Carona Sinistra' investiga fraudes em licitação de publicidade e apropriação de dinheiro público em Itaúna

Gaeco, MP, polícias Civil e Militar estão envolvidos na ação que cumpriu 13 mandados de busca e…
Read more
Notícias

Câmara de Uberlândia promulga resolução que confirma licitação para 100% das verbas indenizatórias

Resolução ocorreu após os gastos de alguns vereadores terem sido questionados pelo Ministério…
Read more
Notícias

São Paulo faz consulta pública para licitação que busca gestor de ciclofaixas de lazer

As ciclofaixas de lazer estão inoperantes na cidade de São Paulo desde setembro. As faixas…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *