Notícias

Assessor vence licitação e autoriza aditivo em próprio contrato de R$ 78 mil

Caso foi julgado irregular em análise do Tribunal de Contas

O TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) julgou irregular licitação para contratação de assessor jurídico para atender a Câmara de Vereadores de Caracol. O vencedor do processo já atuava no cargo pretendido e chegou a emitir parecer favorável à prorrogação do próprio contrato, que chegou a R$ 78 mil. A decisão consta no diário oficial desta terça-feira (11).

O contrato celebrado com um advogado resultou de processo na modalidade convite n. º 2/2015. Em análise, a equipe técnica manifestou-se pela irregularidade da licitação, de sua formalização em contrato, do termo aditivo e dos atos da execução financeira.

Em seu parecer, o Ministério Público de Contas emitiu parecer não somente pela irregularidade dos atos, mas pela aplicação de multa ao responsável, o presidente da Câmara à época, Maykon da Silva.

Na decisão, o conselheiro Osmar Domingues Jeronymo destacou que o vencedor da licitação já ocupava o cargo de assessor jurídico à época, contrariando o previsto na legislação. “O servidor que possui vínculo direto com o ente licitante durante todo o procedimento licitatório, ou seja, fase interna e externa da licitação está impedido de participar da licitação”, apontou.

Também não foi encontrada comprovação de aviso contendo o resumo do edital em obediência ao princípio da publicidade, completou o conselheiro. Isso porque, apesar da modalidade convite não exigir publicação de convocação, determina que o edital seja anexado ao quadro de avisos do contratante.

Já em relação ao contrato firmado, que teve vigência de dez meses, a partir de fevereiro de 2015, não foi possível identificar a publicação dele em cópia encaminhada ao Tribunal.

Aditivo

O primeiro aditivo feito pela Câmara foi pelo prazo de seis meses com aumento total de 25% do valor, chegando o total a R$ 78,7 mil. Segundo o TCE, o parecer favorável à prorrogação foi emitido pelo próprio contratado.

Para o conselheiro, “a irregularidade do procedimento licitatório contagia os demais atos dele decorrente muito embora estejam em conformidade com a legislação, se analisados isoladamente”.

Diante disso, a decisão foi pela irregularidade da licitação, da formalização e teor do contrato administrativo, do 1º termo aditivo e dos atos da execução financeira.

O presidente da Câmara à época recebeu multa de cem Uferms (Unidade Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul), que correspondem a R$ 2.848, pela contratação. Na decisão, não foi contemplada a devolução de valores aos cofres públicos.

(Fonte: MidiaMax)

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Publicado em 12 de junho de 2019.

Related posts
Notícias

MP investiga gastos em publicidade de programa da Prefeitura de SP

Participação do Dr. Ariosto Mila Peixoto na entrevista ao Jornal Record sobre a investigação de…
Read more
Notícias

Tribunal de Contas do Estado suspende licitação dos transportes de Juquitiba

Propostas deveriam ser entregues na última segunda-feira, 15. Órgão de contas acatou…
Read more
Notícias

Licitação para construção de ponte será assinada no sábado

Azambuja afirmou que participará do ato e visitará parte da Rota Bioceânica O governador Reinaldo…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *