Notícias

Adiamento do trem bala será confirmado hoje

Governo cede a pressão de grupos interessados e posterga o projeto da ferrovia Campinas-São Paulo-Rio mais uma vez

 

A resistência das grandes construtoras em entrar como investidoras nos consórcios que disputarão o trem-bala é um dos principais fatores que motivou o adiamento do leilão, que deve ser confirmado hoje, revelou uma fonte do setor. Segundo ela, esse é o principal obstáculo à formação dos grupos empresariais, pois as grandes empreiteiras querem apenas “lucrar” com a execução das obras sem correr riscos, apesar de o investimento de maior peso no empreendimento ser o de engenharia civil.

 

A maior dificuldade de diálogo é com os asiáticos, que não aceitam a estratégia que as empresas brasileiras querem: entrar com participação minoritária no consórcio, mas com poder de comando. “As empresas brasileiras querem entrar com apenas 5% de participação no projeto, mas querem mandar, fazer tudo do jeito delas”, revelou a fonte.

 

O cenário ficou ruim para os coreanos. Desde a saída do grupo Bertin, antes do primeiro adiamento, em novembro, eles não conseguiram outra empreiteira para substituí-la. Diante do cenário de novo adiamento, o grupo já sofre abalos. Segundo a fonte, alguns participantes começam a perder confiança na licitação.

 

As empresas europeias declaram que sua participação será minoritária, caso fechem parceria com algum consórcio para disputar a licitação. “Esse é um projeto em que o material rodante tem peso de 8% no projeto completo. Na verdade, quem comanda esse projeto são as grandes construtoras. Nós, como detentores de tecnologia, vamos adquirir participação minoritária”, ressaltou Ricardo Sanchez, diretor comercial da fabricante espanhola CAF no Brasil. “Se você pegar todas as empresas de tecnologia, o valor do projeto é maior que o faturamento de todas elas”, comparou.

 

João Constatino Meireles, diretor do Departamento de Desenvolvimento de Mercado da espanhola Talgo, apesar de ter anunciado que a participação da empresa no empreendimento só ocorreria se houvesse mais prazo, deixou claro que não compete à empresa fazer a solicitação.

 

Tanto que o pedido de adiamento da empresa para o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Bernardo Figueiredo, foi apenas verbal. “Não compete a nós pedir nem adiamento. É mais um projeto de engenharia civil do que de material rodante. Somos muito pequenos nesse projeto”, ressaltou.

Related posts
Notícias

Prefeitura inicia licitação para executar obras no aeroporto de Sorriso

A prefeitura de Sorriso abriu procedimento licitatório para contratar a empresa que vai elaborar o…
Read more
Notícias

Juiz é afastado por suspeita de favorecimento à empresa em licitação do Porto Seco de Anápolis

TRF-1 impediu juiz Alaor Piacini de julgar a causa após comprovado que seu filho, Odasir Piacini…
Read more
Notícias

Com licitação concluída, obra para recuperar passarela começa na semana que vem

Garantia foi dada pelo secretário de Infraestrutura de Florianópolis, Valter Galina…
Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *